5 formas simples de prevenir as dores mais comuns no ciclismo

Dores musculares após um treino sobre a bicicleta e principalmente após uma dura competição são muito comuns no mountain bike, estrada e downhill. Porém, há muitas formas de minimizá-las e ao mesmo tempo ganhar em performance, conforto e qualidade de vida.

Veja abaixo alguns exemplos das dores mais comuns entre os ciclistas e as formas mais simples de prevení-las ou, simplesmente, minimizá-las.

1- Região lombar: Essa dor incômoda na parte baixa das costas pode surgir durante o treino ou competição e comprometer a prova a ponto de obrigar o ciclista a abandonar a prova ou encurtar o treino. Alguns cuidados podem evitar esse incômodo e proporcionar melhor qualidade no seu pedal. Por exemplo, o ideal é sempre buscar orientação em relação ao tamanho ideal da bike para sua estatura na hora da compra ou procurar o melhor ajuste desse equipamento ao seu corpo (Bike Fit). Intercalar os dias de pedal com treino de fortalecimento (abdominal, lombar e alongamento) também pode ajudar.

 2- Joelhos: tendinite patelar pode surgir ao longo dos anos praticando mountain bike ou ciclismo de estrada. O selim baixo, o ajuste mal feito dos tacos na sapatilha, pedal sem float ou ajustado com muita pressão nas molas podem causar vários tipos de lesão à estrutura articular e ligamentar. Novamente um bike fit bem feito para pedalar com a bicicleta no tamanho ideal vai fazer toda diferença. Outra boa dica é o alongamento do quadríceps. Esse hábito minimiza a possibilidade dessas dores e lesões que podem se tornar um problema crônico se não receberem a devida atenção.

 3- Região cervical: Essa dor surge após horas de pedal, principalmente no ciclismo de estrada, onde é mais comum a flexão de tronco, buscando mais aerodinâmica. O fortalecimento de musculaturas como abdômen, lombar e braços ajudam na sustentação da postura correta e preservam a região cervical por mais tempo. No pilates, existem exercícios seguros de serem executados e que fortalecem a musculatura do pescoço, além de minimizar o incômodo durante treinos e provas longas.

 4- Panturrilhas e quadríceps (coxa): Quem pedala em qualquer nível sente essas dores com maior ou menor intensidade, o que é natural. Porém, existem formas de retardar o aparecimento dessas dores e formas para eliminar o desconforto nas pernas. O treino planilhado, adequado e orientado por um profissional competente pode ajudar a evoluir com menos sofrimento. O fortalecimento e alongamento dos membros inferiores aumentará o ganho em qualidade e, depois do pedal ou competição, uma massagem nos membros inferiores deve ajudar no alivio da dor e na recuperação. E o mais importante: a alimentação ideal após o treino para repor o glicogênio muscular (carboidrato).

As combinações desses fatores acima deve te levar à um bem-estar geral e melhorar sua qualidade de vida durante e após o pedal.

5- Tempo de selim (saddle sore): Inevitável principalmente nas provas de ultramaratona, maratonas e treinos longos, possível se minimizar com o ajuste ideal da altura do selim, largura ideal para o seu uso pessoal, uma bermuda ou bretelle com forro de qualidade, e um bom chamois (creme) para diminuir o atrito da pele com o forro da bermuda durante as longas horas em cima da bike.

Comunicação IGP Sports

One thought on “5 formas simples de prevenir as dores mais comuns no ciclismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *