Mulheres no pedal: saiba como escolher o equipamento ideal

Convidamos a atleta Scott, Lais Saes, para passar algumas das suas experiências na hora de escolher a bicicleta e roupa de ciclista especialmente desenvolvidas para as mulheres

Elas estão cada vez mais presentes no ciclismo. Seja durante o treino na trilha ou estrada e até num momento de diversão no parque, o número de mulheres apaixonadas por bicicleta só tem crescido nos últimos anos. Se você faz ou pretende fazer parte dessa estatística, deve saber que existem diversas opções de produtos feitos especialmente para o público feminino que vão oferecer maior segurança e conforto durante o pedal.

Mas como encontrá-los? Qual escolher? Faz realmente tanta diferença assim? Quem responde é a atleta Scott, Lais Saes:

Bicicleta

A bike será a grande parceira da ciclista durante os treinamentos e competições. Exatamente por isso a escolha deve ser por um modelo que atenda o público feminino em sua geometria, rigidez, conforto e adaptação de acordo com cada corpo. Lais Saes, por exemplo, recomenda a Contessa Scale 700 RC 2017.

2017-04-13-11-47149209487558ef8f9bb10a2

“Ela foi pensada e desenvolvida para o púbico feminino com cores que diferem das demais. Isso é muito legal! A geometria é igual a uma RC convencional, mas optei por usar o modelo de aro 27,5″ devido à minha altura. Me encaixo melhor em modelos de bicicleta pequenos e eles proporcionam maior segurança nas trilhas. Sinceramente, acho que a geometria da Scale é a melhor que existe no mercado. Ao mesmo tempo em que ela é agressiva, ela é confortável, ideal para homens e mulheres”, analisa a atleta Scott.

Roupa de ciclista

Além da bicicleta, outra coisa bastante importante é qual uniforme a atleta vai usar durante o pedal. A escolha da roupa é fundamental, pois ela proporcionará conforto e ventilação, garantindo que a ciclista só se preocupe com seu desempenho. Então, já sabe: evite pegar emprestado. A melhor solução é buscar um modelo que se ajuste ao seu corpo.

“Procuro usar roupas com modelagem fit e feitas exclusivamente para o público feminino. A modelagem é bem diferente das roupas masculinas, pois se ajusta muito melhor ao corpo proporcionando maior conforto durante o pedal. O forro das bermudas e dos bretelles femininos também são diferentes, pois foram desenhados para se adaptarem ao nosso corpo. Normalmente possuem o cós mais alto, o que tem sido a preferência entre as consumidoras”, diz Lais Saes.

2017-04-13-12-03149209579658ef9334bcf40

Dica: a Scott lançou um modelo de vestuário que é Endurance 10.
Ele se encaixa perfeitamente no que a atleta disse acima.

Números comprovam

Só em uma avenida da capital paulista (a Eliseu de Almeida, na zona oeste de São Paulo) houve um aumento de 1.444% no número de ciclistas mulheres em quatro anos (2011 a 2015). Em Belo Horizonte-MG, são mais de 380% em 6 anos. Na Holanda, 27% das viagens são feitas de bicicleta e entre elas, 55% são de ciclistas mulheres. Em Nova Iorque o número de ciclistas urbanas subiu 23,6%*.

*Dados de pesquisas realizadas pela Scientific American Magazine (Holanda), Universidade Hunter College (Nova York), BH em Ciclo (Belo Horizonte) e Ciclocidade (São Paulo).

757149209497458ef8ffe6b1be

“Existe um crescimento, mas acho que ele ainda é um pouco lento. As mulheres apaixonadas por ciclismo consomem muitas peças de vestuário e acessórios. Nós gostamos de produtos exclusivos, que sejam bonitos e confortáveis. Acredito que merecemos produtos de qualidade e feitos exclusivamente para nós com modelagem e cores diferenciadas”, completa Lais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *